Home
Pedro e Inês, O Amor Não Descansa
Romance | 120 min.

Pedro e Inês, O Amor Não Descansa

(2021) Assista ao trailer

Em breve

Sinopse

Uma coprodução entre Portugal, França e Brasil, o filme é baseado na história real do Rei Dom Pedro I, que desenterrou sua amante Inês de Castro para torná-la rainha depois de morta. A obra conta a história de Pedro e Inês em três diferentes épocas (presente, passado e futuro). Um amor atemporal que vence as limitações do tempo. Protagonizado pelos atores Diogo Amaral e Joana de Verona, o filme imortaliza a mais gloriosa história de amor portuguesa.

Continuar lendo

ficha técnica

  • título original:
    Pedro e Inês
  • Diretor:
    António Ferreira
  • país:
    Brasil | França | Portugal
  • lançamento:
    15-07-2021
  • classificação:
    Não recomendado para menores de 16 anos
  • Elenco:
    Diogo Amaral
    Joana de Verona
    Vera Kolodzig
    Cristóvão Campos
    Custódia Gallego
    João Lagarto
    Miguel Borges
  • Pedro e Inês é uma viagem lindíssima por três tempos, três costumes e a mesma perda. Brincando com diferentes narrativas e suas trágicas coincidências, o estado da loucura pode ser impossível de mapear na razão ou é apenas a beleza do essencial que ofusca a rotina.

    Wanderley Caloni
  • Adaptado do romance "A Trança de Inês", de Rosa Lobato de Faria, foi o filme português mais visto em 2018 em Portugal, tendo ultrapassado a marca dos 48 mil espectadores. Protagonizado pelos atores Diogo Amaral e Joana de Verona, o filme é inspirado na lenda de Pedro e Inês, narrando uma inigualável história de paixão ao longo de três épocas e imortalizando a mais gloriosa história de amor portuguesa.

  • Não sabemos se quando William Shakespeare começou a escrever Romeu e Julieta (1591) sabia da história de D. Inês de Castro, que ocorreu dois séculos antes. É possível que sim. Uma história de amor, com pormenores bizarros, terá circulado por toda a Europa, e Camões cantou-a em Os Lusíadas (1572). A verdade é que as histórias não se imitam, mas competem em termos de densidade dramática, sendo certo que a portuguesa, com o detalhe tétrico de coroar um cadáver, consegue ser ainda mais fascinante

    Visão (Portugal)